“Cabelo” ou “cabê-lo”?

Muitos lusófonos levam essa dúvida até o túmulo, outros abrem o Houaiss, alguns choram semanalmente pro psicanalista. Mas a grande maioria vem ME perguntar como é que é. E ainda mais agora, tempo de Reforma Ortográfica de cu é rola e Copa-Olimpíada no Brasil, recebo e-mails de guinéu-equatorianos, chineses de Macau, são-tomenses e irlandeses. Os últimos só porque são legais comigo sempre.

Como este blog também se dedica à arte da Lingüística, presto aqui uma homenagem ao melhor amigo do mundo.

Que não é você, mas leia. Clicando aqui, óbvio.

Anúncios